Informações não pedidas e tão pouco necessárias

domingo, 22 de outubro de 2017

A caipirinha de morango com tequila ou PROMOÇÃO 3

Oeee
Não, eu não estou bêbada.
Embora seja cinco e pouco da manhã de um domingo sem jogo do Corinthians (inaceitável) e eu tenha acabado de fazer uma caipirinha de morango com tequila. Como dizem, a noite é uma criança. E eu sou uma adulta irresponsável. YAY.
O que eu tenho pra falar? Sério? Você vai me perguntar isso? Aqui?
Não tenho nada para falar. É só um daqueles dias em que quero escrever. Podia tá escrevendo o resumo do meu capítulo, escrevendo um dos meus três livros ou até meu projeto de pós-doc, mas não. To aqui.
Estar aqui é como a caipirinha de morango. É necessário? Não exatamente, mas eu quero, então que se dane.
Com certeza vou me repetir de algum jeito porque não tenho nada novo pra falar.
Exceto uma coisa, que eu não posso falar.
Oh! Vamos brincar de mistério!
Vou escrever em código.

Why do you call me?
When you know I can't answer the phone

I don't believe that anybody
Fells the way I do, about you now
There are many things that I
Would like to say to you but I don't know how

Fuck you, fuck you very very much

Does it help?
No it doesn't help at all

Ok, chega disso. O mistério acabou.
Tá chovendo e eu queria encontrar um meio de expressar o sentimento da frase "a vida não tem o mínimo sentido" com outras palavras para fazer as pessoas entenderem. Ir além das palavras, essas já não servem mais. É por isso que a gente gosta de ficção. É o único lugar onde as coisas fazem sentido, mesmo quando não fazem. Você sabe o que esperar da ficção. Talvez não antes de abrir o livro ou de começar o filme, mas as coisas vão se organizando de um jeito que você acaba se preparando para o que está por vir, mesmo que seja surpreendente.
Na vida, não. É tudo uma bagunça. Não importa o que você fez ou deixou de fazer, suas escolhas não importam, o caminho que você escolheu seguir não importa. Nada importa. As coisas só acontecem. E quando você fica mais velha e acha que tá pegando o jeito da coisa BAM!
Sabe quando as pessoas dizem que sua vida pode mudar completamente em um segundo? É verdade. E é verdade que não importa o que você tenha feito.
Ok, isso não faz o mínimo sentido, mas é verdade. E é por isso que eu tenho tanto medo de viver. Porque qualquer coisa pode acontecer a qualquer minuto. E, vamos combinar, com o meu histórico, não pode ser coisa boa.
Agora, se o que eu disse fizesse sentido, meu histórico não deveria importar, certo? Seria possível que acontecesse uma coisa boa para mim e mudasse minha vida pra melhor. Então por que nunca acontece? Por que o sentimento de isso ser impossível nunca me abandona?
Claro que, muito provavelmente, eu que não percebo as coisas. Ninguém percebe. Se há uma coisa que podemos concordar em relação à raça humana é que a gente não percebe quanta coisa boa a gente tem até começar a perder. Se eu perdesse o que tenho hoje seria terrível, e ainda assim estou eu aqui querendo mais.
Mas eu mereço pela droga de vida que eu tive.
Fer sempre diz que não é assim que funciona, mas devia ser.
E quando eu penso sobre o que eu quero tem sempre várias coisinhas, e coisonas também. E, neste momento, me contentaria com uma só, mas eu me conheço e sei que estaria querendo mais alguma coisa logo em seguida. Mas no fundo, no fundo, só tem uma coisa mesmo que eu quero, que resolve todos os problemas, os desse post e de todos os outros. E eu sei que eu não quereria mais nada depois disso, não importa o que aconteça.
Todo mundo sabe o que é, não preciso escrever.
Eu fico me iludindo com o pensamento de "se eu consegui isso as coisas vão melhorar". Não vão. Eu sei por experiência que não vão, mas eu insisto em me iludir, achando que uma coisa ou outra vai me fazer melhor, mas eu sou quebrada por dentro e, não importa onde ou com quem um brinquedo quebrado esteja, ele ainda vai estar quebrado. Mas talvez alguém se importe o suficiente com o brinquedo para tentar faze-lo funcionar outra vez, mesmo que não perfeitamente. Acho que essa é minha esperança. Acho.

Sabia que eu não existo?
É difícil explicar e eu não estou com saco, mas é verdade. Não, não quero dizer no sentido F.I.T.I.S da coisa. É verdade, mas não completamente.
Não, quero dizer no sentido literal, humano, psicológico de ser. Eu não sou. Como isso é possível?
Vocês já pararam pra pensar coisas do tipo "e se aquela coisinha de nada que me aconteceu não tivesse acontecido? Quão diferente eu seria?". Efeito borboleta e tal.
Então. Eu sinto como se a pessoa que eu deveria ter sido, caso a primeira merda que levou a todas as outras merdas não tivesse acontecido, é tão completamente diferente do que eu sou.
Claro, eu sei, a vida faz isso com todo mundo, uns mais, outros menos, e a gente sempre é resultado daquilo que vivemos, das nossas escolhas e experiências (olha que bonito eu me contradizendo no mesmo post haha).
Mas e se durante o tempo em que as escolhas eram feitas por você, sem nada que você pudesse fazer, um grupo de pessoas decidisse fuder sua vida? E quando você chegasse ao ponto de tomar suas próprias decisões não houvesse mais opções pois tudo o que lhe ensinaram até ali te leva a um único possível desfecho?
Eu poderia falar disso pra sempre e ainda teria coisas pra falar.
Imagine se a gente tivesse uma "Noite dos grandes pedidos", igual do livro.
O que eu pediria?
O pedido da ilusão ou o da solução?
E você, pediria o quê?

PROMOÇÃO: Responda a última pergunta.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Post do desassossego

São quase duas da manhã, o que é nada pra mim, mas esse é um fato importante. E eu estou aqui porque bem, eu não tenho outro lugar pra estar e ninguém pra estar com.
Esse mês é mês de falar sobre suicídio e depressão e quem conhece esse blog sabe que isso não me deixa nada feliz. Talvez setembro devesse ser o mês de falar sobre hipocrisia.
Metade das pessoas que eu conheço ignoram completamente o assunto e a outra metade tem a cara de pau de fingir que se importa.
Pergunta: você realmente acha que por um laço amarelo no seu perfil do facebook ajuda de algum jeito? Ou, sei lá, talvez não seria melhor você conversar com alguém que precisa?
É muito bonito fazer de conta que liga, né?
E aí eu, estúpida, fico aqui chorando de raiva.
"Ah mas por quê?"
Por quê? Deixa eu te falar por que:
Porque tenho que ver gente que falava que minha depressão era graça e que minha tentativa de suicídio era "só pra chamar atenção" agora colocando lacinho amarelo. Pessoas que sabem que eu preciso delas, mas se fazem de desentendidas porque... quem tem paciência com gente depressiva e suicida, não é mesmo? Quem quer ter isso atrapalhando sua vida quando se pode fugir? Imagine só. Por que se importar quando você pode virar as costas, olhar pro outro lado e colocar um lacinho amarelo.
Vocês nem imaginam onde eu quero que vocês enfiem esse lacinho.
Vamos fazer assim, deixemos de lado meias palavras e sejamos honestos. Eu to falando de mim. Sim, de mim. Eu tenho depressão e eu sou suicida. Desde sempre. 99% das pessoas que me conhecem sabe disso. Não sei quem vai ler isso, mas se alguém ler eu aposto que já sabe.
Então vamos lá. De todas essas pessoas, devo ter umas 200 no facebook. Adivinha quantas colocaram lacinho amarelo no perfil. Vou responder pra você: várias, várias pessoas colocaram.
Agora quantas, no último mês, ou ano, vieram me perguntar como eu estava? NENHUMA.
Ninguém pergunta.
E aí to aqui tendo que ver todo mundo de lacinho amarelo. Porque apoiar uma causa abstrata é super legal, né?
Ontem eu terminei de assistir 13 Reasons Why. Sim, aquele da menina que se mata e deixa 13 fitas falando porque ela se matou. E eu queria chorar de raiva. Ela tava lá todo o tempo, desesperadamente pedindo por ajuda, todo mundo via, todo mundo ignorava. Aí ela se mata. E o idiota ouvindo a fita chora e arranca os cabelos porque ele queria ajudar mas agora não pode mais. Sério? SÉRIO?
Ela tava lá todo o tempo, eu to aqui todo o tempo, 33 anos aqui. Por que ninguém quer me ajudar agora? Por que vocês vão querer ajudar só depois que eu morrer? Ah... eu sei por que. Porque aí continua sendo abstrato, né? Você não tem que lidar com nada, só chorar e repetir "se soubesse eu teria ajudado". Mas você sabe. VOCÊ SABE. Mas vai continuar não fazendo nada porque é muito mais legal fingir que isso não existe no mundo de verdade e é só um conceito, um lacinho amarelo bonitinho.
No fim acho que tenho é sorte, não é mesmo? Pra que eu ia querer um bando de hipócritas fazendo de conta que se importam quando na verdade não dão a mínima? Mas eu não to falando isso só por mim, to falando por todo mundo que passa por isso. Parem de esperar as pessoas morrerem pra querer ajudar. Se quer mesmo tem que fazer enquanto a gente ainda tá vivo. Tira o lacinho do facebook, ou deixa, tanto faz, mas vai conversar com quem você se importa antes que seja tarde demais.

P.S. Todo meu amor ao Fer por ser a pessoa que se importa comigo.

P. S.2 Nem sonhem em vir falar comigo depois desse post, não to a fim.

sábado, 2 de setembro de 2017

F. I. T. I. S is back of course

Today I feel like writing in English because of reasons and I don't care if people can't read it I just need to write. This is for me.
One of the many many many many downsides of my illnesses is that sometimes I can't tell if I'm being unreasonable or if I have the right to be upset about something. I can't tell if someone is being selfish or they are just taking care of themselves.
And I can't ask.
This sucks.
So I end up alone again with no one to talk (except for Fer, poor thing).
Sometimes I think "maybe if I make myself usefull for that person they will need me" because that's my life.
No one keeps me around because they like me or enjoy my company. They keep me around when and if they need me. Who cares what I need? I am the most insignificant person in the world.
But I'm done making myself useful to have some company. I am a useless piece of trash and if you like me deal with it. If you don't just please leave me alone. I'm tired of being needed and not liked. It's not because you found someone interesting and don't need me anymore that you will just walk away not caring at all about the fact that I also need you and like you. I won't walk away like you do if ever I don't need you because I also like you.
Again: how do I manage to be so insignificant? It's like people think "oh damn something is going wrong in my life, let me be friends with Mirane because her life sucks so badly that it makes me feel better" and then when they're good "bye I don't need you anymore".
What about me?
What about me?
I guess I just don't matter at all.

sábado, 29 de julho de 2017

Promoção - Pergunta 2

De acordo com este blog, complete a frase:

"Se você pensa que cachaça é água _________________."

Lembrando que todas as perguntas podem ser respondidas até dezembro.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

P R O M O Ç Ã O

Bom, gente, quem acompanha o blog sabe que, às vezes, eu faço promoção de aniversário.
Esse ano irei fazer e vai começar JÁ.
De tempo em tempo vou colocar uma pergunta, até dezembro, quando é o aniversário do blog de verdade.
Não vou falar ainda qual é o prêmio, deixem de ser interesseiros. Mas vai ser beeeeem legal, então, por favor, PARTICIPEM!

Pergunta 1:

Qual é seu post preferido de todos os tempos do Salão do Fogo? 

Quem não tem panela escreve coisas no escuro

Fo Ratemer era um cara bem legal, mas pensa numa malandragem!
Para ele, se se podia conseguir algo ilegalmente, mas com facilidade, pra que perder tempo fazendo o mais difícil?
Por este motivo, Fo, geralmente, não ficava muito tempo no mesmo lugar, afinal quando não se paga por nada, não se devolve nada e não cumpre nenhuma promessa, as pessoas tendem a desgostar de você.
Fo era muito simpático e todos adoravam conhecer alguém tão gente boa assim. Mas todos, sem exceção, quando o viam pela segunda vez, o saudavam gritando:

- F O  R A T E M E R!

Claro que ele dava no pé e já era dia de mudança de novo.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Qual a cor do pensamento?

Estou eu na minha cama, em um quarto limpo e arrumado, mas impessoal.
E ela ainda está aqui.
Já me acostumei com a sua presença, está aqui há anos. Disse que eu precisava segui-la e eu disse "vamos ver". Ela não respondeu, mas foi ficando e esperando.
Às vezes diz: "você vai ter que vir um dia".

segunda-feira, 6 de março de 2017

Quem pediu uma nova série no blog?

Ninguém.
Ninguém pediu, mas vou fazer mesmo assim.
Espero que vocês estejam preparados porque a nova série vem aí.
Ah, e esse ano tem promoção de aniversário, então fiquem atentos! :)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Tolkien or nothing - two guesses at once...

Adivinha sobre o que é esse post?
"Vixi, quando a Mirane fala isso ou é sobre nada ou é sobre o Tolkien."
HÁ, acertou. É sobre o Tolkienzinho.
Estou relendo O Senhor dos Anéis, óbvio, e resolvi compartilhar alguns comentários meus sobre o capítulo "O conselho de Elrond". Na verdade esse post deveria ser sobre os 12 primeiros capítulos, mas meu livro com todas as marcações (mais de 200) desapareceu misteriosamente (ainda não me recuperei). Então, hoje, falaremos somente sobre o capítulo 14, ou, como gosto de chamar, festival de burns da Terra-média.

 "- Fui o arauto de Gil-galad, e marchei com sua tropa. Estive na Batalha de Dargorlad diante do Portão Negro de Mordor, onde vencemos: pois à lança de Gil-galad, e à espada de Elendil, Aiglos e Narsil, ninguém podia resistir. Eu vi o último combate nas encostas de Orodruin, onde Gil-galad morreu, e Elendil caiu, e Narsil se quebrou sob seu corpo. Mas Sauron foi vencido, e Isildur cortou o Anel de sua mão com o fragmento do punho da espada do pai, e pegou-o para si." p. 257

Prestem atenção no que destaquei: "Mas Sauron foi vencido, E Isildur cortou o Anel de sua mão" (original: "but Sauron himself was overthrown, AND Isildur cut the Ring from his hand").
"Mas Mirane por que você tá colocando o 'E' e o 'AND' em destaque?"
Bem, porque foi exatamente isso que me chamou a atenção dessa vez, nessa parte. Talvez fortemente influenciada pela versão cinematográfica (ou talvez alguma outra coisa que esqueci, quem sabe, faz tempo que não leio as outras coisas do Tolkienzinho), eu sempre achei que o Sauron foi destruído PORQUE o Isildur corta o Anel da mão dele e não que o Isildur conseguiu cortar o Anel porque o Sauron já tava bem fraco de apanhar do Gil-galad e do Elendil. Claro que posso estar enganada aqui, mas se você lê aquele pedaço ali, é o que se entende, certo? Que o Isildur cortou o Anel quando o Sauron já estava destruído - ou perto disso. A frase não é "Mas Sauron foi vencido QUANDO/PORQUE Isildur cortou o Anel", mas sim "Mas Sauron foi vencido E Isildur cortou o Anel".
Continuando...

"- Nesta hora maligna, eu vim numa missão, atravessando muitas milhas perigosas, até Elrond: cento e dez dias viajei completamente sozinho. Mas não procuro aliados para a guerra. O poder de Elrond está em sua sabedoria, não nas armas, como se diz." p. 260

QUEM DIZ?
Seja lá quem for é uma anta! Querido, o Elrond te passa o coro sem as duas mãos e com os olhos fechados. Você ouviu alguma coisa do que ele disse? Porque até onde lembro, uns 10 minutos antes de você falar essa merda, ele tava falando de quando ELE LUTOU CONTRA O MELKOR NA PRIMEIRA ERA E CONTRA O SAURON NA SEGUNDA. Mas, claro, ele só serve pra dar conselho...
Bem, na verdade eu acabei de perceber que se eu for comentar tudo que marquei aqui isso vai ter o número de páginas do livro, então vamos resumir um pouco.

Bilbo lindo dando uma das várias tiradas em Boromir quando ele começa a olhar feio para o Aragorn como se ele não fosse ninguém:

"[verso que Bilbo fez para Aragorn, sim, aquele famoso 'Nem tudo que é ouro fulgura...']
- Talvez não muito bom, mas perfeito para o momento - se é que você precisa de algo além da palavra de Elrond. Se ela vale uma viagem de cento e dez dias, é melhor escutá-la com mais atenção." p. 262

Se a gente tivesse na escola agora seria aquela hora do "NOOOOOOOOOOOOOOOOOSSA".

"- Se Gondor, Boromir, tem sido uma torre robusta, nós tivemos outra função. Existem muitas coisas más que nossas [no original your - suas]  muralhas fortes e espadas brilhantes não aguentam. Você sabe pouco sobre as terras além de suas fronteiras. Paz e liberdade, você diz? O Norte mal saberia o que são essas coisas se não fosse por nós. O medo destruiria a todos. Mas quando os seres escuros vêm das colinas desabitadas, ou se esgueiram por florestas sem sol, fogem de nós. Que estradas qualquer um ousaria pisar, que segurança haveria nos lugares pacíficos, ou nas casas dos homens simples à noite, se os dúnedain estivessem dormindo, ou tivessem todos ido para o túmulo?
Mesmo assim, recebemos menos agradecimentos que vocês. Os viajantes nos desprezam, e os homens do campo nos dão nomes pejorativos. Sou 'Passolargo' para um homem gordo que vive num lugar a apenas um dia de marcha de inimigos que congelariam seu coração, ou deixariam sua pequena cidade em ruínas, se não fosse guardado continuamente. Mesmo assim, não aceitaríamos outro tipo de vida. Se as pessoas estão livres do medo e da preocupação, é porque são simples, e devemos mantê-las assim em segredo. Essa tem sido a tarefa de meu povo, enquanto os anos vão se alongando e o capim vai crescendo." p. 262-263

NOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOSSA

"- Essa notícia sobre Saruman é muito triste [...] Mas quedas e traições desse tipo, infelizmente, já ocorreram antes." p. 280

Esse é o Elrond falando. Repito: ESSE É O ELROND FALANDO. Choro agora ou pra sempre? :'(

Olha, tinha muito mais, mas: 
1. está tarde e preciso tentar dormir;
2. a tradução não ajuda e, gente, vamos combinar, que pontuação horrorosa nessa tradução.
Quem sabe tem mais logo. :)

Até.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Oh no

Adivinha quem tá de volta?
Sim, euzinha.
Desculpem abandonar as coisas por aqui, mas a vida não tá fácil.
Passei só para dar um oi e dizer que muito provavelmente voltarei a escrever logo.
Até!